13 de set de 2011

Empregabilidade - uma "metamorfose ambulante"

Empregabilidade é a capacidade de um profissional estar apto a atender as mudanças e exigências impostas pelo mercado de trabalho, ou seja, é manter-se competitivo, conseguindo desenvolver atividades dentro e fora da empresa. Nossas competências e habilidades é que asseguram a nossa empregabilidade. Para ser competitivo é preciso acompanhar a celeridade das mudanças, seguir o ritmo da vida moderna, pois como cantou Renato Russo: “o futuro não é mais como era antigamente”.


Como em qualquer mercado a combinação demanda e escassez resulta em valorização, por isso, é imprescindível usar o tempo de forma inteligente, auferindo conhecimento para traçar uma estratégia que viabilize o seu diferencial competitivo e consequentemente a sua valorização no mercado de trabalho. Muitas pessoas reclamam das adversidades que encontram para conseguir um emprego, mas lamentar não resolve! Para assegurar a empregabilidade é preciso ter iniciativa, manter-se atualizado, pois atualmente não é mais permitido parar de adquirir conhecimento.

A empregabilidade é uma “grandeza” diretamente proporcional a capacidade de adquirir novos conhecimentos e construir novos relacionamentos que sejam profícuos para área profissional onde atua ou pretende atuar. Para alguns profissionais o mercado de trabalho está congestionado - tal qual o trânsito das grandes cidades -, talvez essa situação seja decorrente da falta de um objetivo. Para vencer essa adversidade é preciso aprimorar o autoconhecimento, conhecer seus pontos fortes e fracos, assim como conhecer a área que pretende atuar e definir um plano, estabelecendo prazos e metas para vida profissional.
É mais fácil encontrarmos o caminho para ampliar a nossa empregabilidade quando definimos a nossa área de atuação, a partir daí podemos aplicar o PDCA – Planejar, Executar, Verificar e Aplicar ações corretivas - na  vida profissional. Como aplicar o PDCA? Primeiro é preciso analisar como está a nossa carreira profissional e depois pensar no que desejamos que ela se transforme. Os próximos passos são a implementação das ideias, a monitoração e avaliação dos resultados alcançados e depois a correção de eventuais falhas - sempre que for necessário.

Conseguir o primeiro emprego é uma tarefa árdua, pois as organizações querem profissionais experientes, dinâmicos e resilientes - preparados para lidar com adversidades, situações imprevistas e inesperadas. Para os que buscam vencer essa batalha compartilho um dos ensinamentos de Sun Tzu: "aquele que não conhece o inimigo - as imposições do mercado de trabalho -, nem a si mesmo - suas competências e habilidades -, perderá cem batalhas - oportunidades de emprego -; aquele que conhece a si mesmo, mas não conhece o inimigo, poderá ganhar como também poderá perder, com chances iguais para a vitória ou para a derrota; mas aquele que conhece a si mesmo e também ao inimigo, vencerá todas as batalhas".

As mudanças impostas pelo avanço tecnológico e pelo capitalismo nos direcionam para encararmos o desafio de ser um profissional “cosmopolita”. O profissional que busca a empregabilidade almeja o sucesso e um bom desempenho profissional deve estar preparado para lidar com as mudanças. Para ser um “profissional cosmopolita” é necessário estar apto para conviver com novas culturas. As organizações do século XXI tendem a atuar nos continentes e formar conglomerados, o que acarreta em choques de culturas.

Segundo Nietzsche, o nosso maior tesouro está na colméia do nosso conhecimento. As perspectivas para o século XXI apontam o capital intelectual como a maior riqueza das organizações. Profissionais com capacidade técnica e alto nível de inteligência emocional estão propensos a auferir bom desempenho profissional e a presença deles será determinante para que as empresas possam alcançar bons resultados. As organizações buscam gestores e subordinados criativos, que saibam cultivar boas relações dentro e fora do ambiente organizacional e que tenham a competência de administrar conflitos.

Para entender o mercado de trabalho é necessário filosofar como Raul Seixas – “...Se hoje eu sou estrela amanhã já se apagou..." -, pois o conhecimento pode se tornar obsoleto repentinamente. Aprendi que a empregabilidade é uma "Metamorfose Ambulante" e para mantê-la é preciso sair da zona de conforto, içar a âncora daquela "velha opinião formada sobre tudo". Se for necessário aprenda a desaprender, quebre paradigmas!

Encerro o tema com uma reflexão causada pelo pensamento do genial Fernando Pessoa: Filosofar é preciso – necessário ou indispensável -, empregabilidade não é preciso – fixo ou exato.

A revista Você S/A disponibiliza um teste referente à empregabilidade, se desejar realizá-lo (clique aqui). 
AUTOR: Luciano Conceição

Um comentário:

Carine Fiuza disse...

Sua explanação é muito pertinente. No mundo empresarial não há perdão para quem acredita que "O acaso vai me proteger, enquanto eu andar distraído". Deveremos fazer uso do CHA como receita para a empregabilidade. Conhecimento, Habilidade e Atitude sempre!!!